PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

MPMS denuncia vereadora de Água Clara presa na Operação Voto de Minerva - VICENTINA ONLINE

Vicentina, MS, segunda-feira, 22 de janeiro de 2018
  • Oferecimento Anuncie Aqui37

MPMS denuncia vereadora de Água Clara presa na Operação Voto de Minerva

Márcia Vita e uma segunda pessoa são suspeitas de tentar cobrar R$ 80 mil de vereadora de Água Clara para interferir em um processo de cassação; acusadas usaram bilhetes para iniciar negociações

PUBLICIDADE
  • Panificadora e Confeitaria Art's da Massa93

Publicado em: 13/01/2018 às 05h44

campo grande news

(Foto: Antonio Paulo Munhoz)

O promotor de Justiça substituto Paulo Henrique Mendonça de Freitas, da Comarca de Água Clara –a 198 km de Campo Grande–, ofereceu denúncia contra a vereadora Márcia Queiroz Vida (Podemos) e a suposta auxiliar Inês Oliveira da Silva, por corrupção passiva e tráfico de influência. Márcia, então segunda vice-presidente da Casa, foi presa na operação Voto de Minerva, sob acusação de cobrar propina para mudar o voto na cassação de outra parlamentar.

Conforme informações do MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul), baseada em investigações sobre o caso, Márcia Vida e Inês teriam unido esforços para solicitarem vantagem indevida da vereadora Gerolina da Silva Alves (PSDB), que era alvo do processo de cassação. A intenção seria influenciar outros dois parlamentares da Câmara para preservar o mandato da tucana.

A investigação criminal narra que, em 11 de dezembro de 2017, depois da última sessão da Câmara de Água Clara, Márcia Vida se aproximou de Gerolina e perguntou o horário que esta estaria na escola que trabalha, pois uma pessoa lhe procuraria. No dia seguinte, por volta das 11h, Inês compareceu ao local dizendo estar ali a pedido de Márcia.

Bilhetes – Inês, então, teria mostrado a Gerolina uma lauda de papel na qual constava uma mensagem escrita por Márcia Vida, com os dizeres: “Você quer meu voto a favor a respeito do processo de cassação? ( ) sim ( ) não”.

Diante disso, Inês teria dito que, caso a resposta fosse “sim”, Márcia pediu que lhe fosse mostrado outro recado: “Me arruma R$ 80.000,00 que eu voto a favor ou faria com que o processo fosse cancelado!”. Gerolina recusou a oferta. Inês então foi embora pedindo desculpas e justificando que teria ido à escola porque Márcia Vida havia lhe pedido para levar a proposta.

Porém, um novo encontro entre Gerolina e Inês ocorreu no dia 14, por volta das 14h. Desta vez, a vereadora do PSDB decidiu gravar a conversa para a apresentar às autoridades a exigência feita por Márcia Vida –material entregue ao Ministério Público.

Durante o depoimento de Gerolina, Inês ligou no celular da parlamentar. A ligação foi colocada em viva-voz e ouvida também pelo promotor. A interlocutora teria dito que estava em frente à casa da vereadora, com quem precisava conversar. Foi marcado um novo encontro para as 22h30, desta vez acompanhado pelas autoridades e novamente gravado, municiando o MPMS com mais informações sobre o tráfico de influência.

“Mínimo” – Inês voltou a apresentar uma lauda de papel com dizeres escritos por Marcia Vida: “O mínimo é R$ 50.000,00. Faço para o processo! Como? Não vai nem ter votação! Você tem que confiar e sabe que pode nem ter votação! O relator vai encaminhar para mim, aí já paro! Entendeu? Só posso dizer: confie em mim! Derrubo mais dois votos comigo! (tráfico de influência) E que fique entre nós sempre!”.

A representante da segunda secretária da Câmara deu mais detalhes sobre o procedimento para parar o processo e a forma com a qual a propina seria paga.

O Ministério Público representou pela prisão preventiva das denunciadas e pela busca e apreensão de documentos nas residências de Inês e Márcia e na Câmara. Além das condenações, o promotor requereu condenação por dano moral contra Gerolina e dano moral coletivo.

A operação Voto de Minerva teve participação da Polícia Civil e do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado), sendo deflagrada em 19 de dezembro de 2017.

Quer receber notícias do Site Vicentina Online via WhatsApp? Mande uma mensagem com seu nome para (67) 9 9918-9198 e se cadastre gratuitamente!






Leia também



PUBLICIDADE
  • Jorge Mercado2
  • Puppa269
  • Drogaria Padre José Daniel1
  • Prime Pedras166
  • Vidros Sul65
  • Sindicato Rural de Jateí45